terça-feira, 3 de agosto de 2010

quarta-feira, 19 de maio de 2010

ROSEANA SARNEY: A GRANDE CALOTEIRA

Com mais de 9 milhões gastos só em publicidade Roseana Sarney realmente não conseguiu mudar a sua realidade eleitoral em todo o estado do Maranhão e diga-se de passagem, também já está sendo vista como a grande “caloteira” do momento. Pois a filha do presidente do senado, José Sarney deve a maioria dos veículos de comunicação do Maranhão, da capital ao interior. Tem gente que não recebe o seu “acuézinho” desde dezembro passado. Acorda Alice, é de deixar qualquer um passadissimo.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Veja vídeo que mostra atitude fascista da juventude do PMDB no lançamento do livro Honoráveis Bandidos

Bandidos e... sem honra

O senhor Roberto Costa mostrou, ontem, a natureza fascista da convivência política que aprendeu com os líderes do sarneisismo no Maranhão ao patrocinar o ataque aos presentes ao lançamento em São Luís do livro ‘Honoráveis Bandidos’, do escritor Palmério Dória.

Ao financiar baderneiros – porque mercenários não agem gratuitamente - para agirem em nome da União Municipal de Estudantes e da Federação da Juventude Maranhense, o pessoal de Sarney desnudou completamente a face nazista que sempre orientou suas ações.

Estamos de volta á lógica dos coronéis que no Maranhão impunham suas vontades à força, do “quero, posso e mando”, atacando inocentes e proibindo todas as manifestações possíveis do pensamento, mesmo e principalmente as que denunciam atos de corrupção.

A bem da verdade, o sarneisismo está acuado e não apenas no Maranhão, mas no Brasil inteiro onde o repúdio, o nojo por suas ações anti-democráticas, incluindo a censura a jornais do país, a formação de quadrilha, a lavagem de dinheiro e o nepotismo exacerbado evidenciam os últimos dias desse regime que há quatro décadas infelicita o Maranhão.

Era de se esperar. Sarney é violento e continua tão violento quanto o foi ao arrancar a perna de Manoel da Conceição, ao permitir que seus asseclas invadissem e empastelassem máquinas do Jornal Pequeno.

O secretário de Estado, Roberto Costa, ligado ao vice-governador João Alberto de Sousa, além de comandar, na covardia da surdina, a baderna e a violência contra pessoas que apenas participavam de um acontecimento literário em São Luís, inclusive com a presença de lideranças políticas importantes do Maranhão, deixa suas marcas como que para comprovar a imensidade de sua valentia.

O livro lançado, que se chama “Honoráveis Bandidos”, teria, a partir desse insólito episódio, razões até para se intitular “Bandidos e... sem honra”. Quem, por razões políticas de puxa-saquismo, ataca impunemente pessoas inocentes, calculando os riscos de uma briga generalizada, riscos inclusive de mortos e feridos, não pode ter honra nenhuma.

O Maranhão, com a família Sarney mais uma vez no poder, chega, enfim, a seu último estágio de decadência moral e política. Além de corruptos, violentos, numa terra em que todo mundo luta contra a violência.

É preciso que a Secretaria de Segurança ou, senão, a Polícia Federal, apure os fatos. O senhor Roberto Costa vai ter que explicar porque uma pessoa de sua ligação comandava os baderneiros. E Sarney tem que explicar por que não se conforma apenas em censurar a imprensa.

ASSESSORA DO SECRETÁRIO ROBERTO COSTA PROMOVE QUEBRA-QUEBRA DURANTE LANÇAMENTO DO LIVRO HONORÁVEIS BANDIDOS

O lançamento em São Luís do livro “Honoráveis Bandidos”, que narra escândalos e falcatruas da família Sarney, foi marcado nesta quarta-feira (04) por tumulto, quebra-quebra, socos e pontapés, na sede do Sindicato dos Bancários, na Rua do Sol. Comandados pela assessora do prefeito Luís Fernando de São José de Ribamar, Ana Paula Ribeiro, cerca de 15 “estudantes”, a maioria nomeada por Roberto Costa na Secretaria de Esportes e Juventude do governo Roseana Sarney (PMDB), inclusive ela [Ana Paula], resolveram tumultuar o lançamento do livro.

Quando Palmério Dória começou a falar sobre o conteúdo da obra, militantes ligados à Umes (União Municipal de Estudantes Secundaristas) e à Fejuma (Federação da Juventude Maranhense) invadiram o auditório do sindicato, gritando palavras de ordem, jogando ovos e até uma torta para atingir os jornalistas Palmério Dória e Mylton Severiano, autor e co-autor do livro, que traça a tortuosa trajetória do senador José Sarney. Segundo um dirigente de uma entidade estudantil que preferiu não se identificar, os pseudo-líderes estudantis foram patrocinados para agirem assim pelo secretário Roberto Costa.

Além de ovos, foram jogados na platéia livretos apócrifos intitulados “Corrupção – Navalhados Bandidos”, com ofensas contra os ex-governadores Jackson Lago e José Reinaldo Tavares relacionadas ao caso da operação Navalha, realizada pela Polícia Federal. Pela forma que os rebeldes sem causa se comportaram, ficou evidente que o alvo das agressões era o governador Jackson Lago, que só não foi agredido porque várias pessoas fizeram uma espécie de cordão de isolamento em torno dele – sendo eu inclusive uma delas.Organizadores do evento tentaram retirar os jovens do auditório, surgindo daí uma grande confusão. Gritando a frase “Jackson ladrão envergonha o Maranhão”, os manifestantes iniciaram um quebra-quebra e acabaram destruindo cadeiras, vidraças e portas de vidro da sede do sindicato. No meio da desordem, o ex-governador Jackson Lago e a ex-primeira-dama, Clay Lago, foram retirados às pressas do auditório. Depois de devidamente expulsos, os “estudantes” ainda foram para a polícia registrar queixas pousando de vítimas da situação. Uma viatura da Polícia Militar foi ao Sindicato em busca de supostos reféns, frutos da versão apresentada no Plantão Central da Beira Mar. Em seu discurso depois do ocorrido o ex-governador José Reinaldo disse que a atitude dos revoltosos demonstra o clima de como será as eleições do ano que vem e também do desespero que toma conta do grupo Sarney.

Ana Paula Ribeiro diante do tumulto provocado acabou deixando sua bolsa, com documentos pessoais, no meio do auditório. O presidente do Partido dos Trabalhadores no Maranhão (PT/MA), deputado Domingos Dutra, de posse da bolsa e da companhia de pessoas que foram agredidas no momento da insurgência, registrou queixa no Plantão da Refesa na Beira Mar onde entregou os pertences da agressora ao delegado Tarcísio de Jesus Fonseca. Um inquérito policial será aberto no 1º DP para investigar o caso.
Lista dos envolvidosAna Paula Ribeiro – Presidente da Associação Maranhense de Juventude e ex-presidente da Fesma (Federação dos Estudantes do Maranhão). Lotada na assessoria do prefeito Luis Fernando de São José de Ribamar.

Felipe Mota – Presidente da Federação da Juventude Maranhense (Fejuma)

Islane Vieira – Presidente da União Municipal dos Estudantes Secundaristas de São Luís (UMES)

Wellington Gouveia - Ex-Presidente da União Municipal dos Estudantes Secundarista de São Luis (UMES) e chefe de relações institucionais estudantis da Secretaria de Esporte e Juventude do Governo Roseana Sarney.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Livro Honoráveis Bandidos será lançado dia 4/11 em São Luís

O livro mais polêmico escrito nos últimos anos no Brasil será lançado em São Luís no próximo dia quatro de novembro às 19h00, no auditório do Sindicato dos Bancários, na Rua do Sol, no centro da cidade.

O nome do livro é “Honoráveis Bandidos – Um retrato do Brasil na era Sarney”, escrito pelos jornalistas Palmério Dória e Nylton Severiano.

Pela primeira vez o livro HB conta a história secreta do surgimento, enriquecimento e tomada de poder regional pela família Sarney, no Maranhão, e o controle quase total, do Senado Federal, pelo patriarca que virou presidente da República por acaso, transformou o Maranhão em quintal de sua casa e beneficiou amigos e parentes.

Dória também escreveu em 2002 o livro “A candidata que virou picolé”, sobre a escandalosa retirada da candidatura de Roseana Sarney da corrida sucessória de Fernando Henrique Cardoso motivada pela apreensão pela Polícia Federal de R$ 1.340.000,00 nos cofres da empresa Lunus, de propriedade de Roseana e seu marido Jorge Murad, em março de 2002.

Honoráveis Bandidos é um livro arrasador, na mesma linha de “Memórias das Trevas’, que tinha o também senador Antonio Carlos Magalhães como personagem e vendeu mais de 80 mil exemplares no Brasil quando foi lançado.

O primeiro lançamento de HB aconteceu no dia 24 de setembro em São Paulo e na semana seguinte HB já apareceu em nono lugar na lista de livros de não ficção mais vendidos do país, publicada semanalmente pela revista Veja. Na semana seguinte já ocupava o sexto lugar na lista dos livros mais vendidos.

HB foi publicado em forma de brochura pela Geração Editorial e tem 208 páginas. A venda do livro de Dória na capital maranhense está sendo boicotada pelas duas livrarias Nobel, uma no São Luís Shopping e outra no Monumental Shopping, pois a franquia da Nobel em São Luís pertence à esposa de Flávio Lima, engenheiro e empreiteiro, ligado a Fernando Sarney.

No dia quatro de novembro os autores do livro vão autografar os exemplares do livro que estarão à venda no local.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

MARANHENSES VÃO À BRASÍLIA PEDIR RENUNCIA DE SARNEY


Os maranhenses continuam empenhados em pedir a renuncia do presidente do Senado, senador José Sarney (PMDB-AP). Desta vez, a manifestação contra o parlamentar ocorrerá em Brasília na Praça dos Três Poderes. Os membros do “Movimento Todos Contra Sarney - MA” desembarcam no Distrito Federal no dia 27 de outubro. Eles se unem aos representantes do movimento em outros estados.

A mobilização será realizada durante todo o dia em frente ao Senado e em ruas de Brasília. Cartazes, mega-fones, carros de som e panfletos serão utilizados para chamar a atenção do senador e pedir a moralidade na Casa Legislativa. Esta é a quinta vez que o “Movimento Todos Contra Sarney - MA” participa da agenda de protestos contra Sarney.

“Não temos nenhuma ligação com grupos políticos ou sindicatos. Todos que quiserem participar da viagem à Brasília estão convidados. Basta entrar em contato com a gente. Já temos dois ônibus e estamos providenciando mais. Até a governadora pode participar se quiser”, conta o estudante de comunicação Marcio Santos, 22 anos, membro do movimento.

Para participar da mobilização, os interessados devem enviar um e-mail para oligarquia@ausurpadora.net. Apesar do último protesto ter ocorrido nas comemorações do 7 de setembro, quando reuniu cerca de 150 pessoas, a coordenação do grupo realiza reunião todas as terças-feiras às 17h no auditório do Sindicato dos Bancários, na Rua do Sol, no Centro.

“Além dos ônibus que vão sair daqui de São Luís, existe também um ônibus de Tuntum. Se alguém quiser ajudar a comitiva pode doar alimentos, faixas, cartazes, fornecer mais ônibus. Queremos aproveitar o momento em que a mídia nacional pela primeira vez revela a verdadeira identidade de Sarney”, avisa o estudante.

Não elegemos Sarney

Além de protestar contra o presidente do Senado, os maranhenses querem aproveitar a viagem à Brasília para mandar um recado ao Brasil. O grupo explicou que sempre que algum membro da família Sarney é divulgado em um escândalo nacional, a imprensa atribuiu a presença deles em um cargo aos eleitores maranhenses.

“Historicamente o grupo Sarney construiu uma relação de poder com vários segmentos da sociedade, seja através das concessões de rádio e televisão, como as alianças da época da ditadura. Não somos os responsáveis por ele estar no poder. Ele conquistou isso através da influência que tem. Até o Lula o protege”, comenta.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009