segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Sarney Classifica o Estadão de São Paulo de Nazista

SÃO PAULO - O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), disse em discurso no plenário nesta segunda-feira, 17, que o jornal O Estado de S.Paulo "está empenhado numa campanha sistemática" contra sua presidência, e chegou a classificar a atitude do jornal como "nazista". Segundo Sarney, o jornal não exibiu provas ao informar, no domingo, 16, que dois apartamentos utilizados por seus familiares em São Paulo foram pagos por uma empreiteira.

De acordo com o presidente do Senado, um dos apartamentos consta na declaração do Imposto de Renda de seu filho, Zequinha Sarney. Ainda segundo Sarney, a escritura do apartamento ainda não aparece em nome de seu filho porque ainda não foi pago por completo.

Em sua defesa, o presidente do Senado disse ter comprado o primeiro apartamento no edifício Solar da Vila América em 1977, na Alameda Franca, região dos Jardins, ainda na planta, para que seus filhos estudassem na capital paulista. A versão é a mesma do jornal, que confirma pertencer a Sarney o apartamento número 82.

No entanto, de acordo com a reportagem de domingo, mais dois apartamentos no edifício - o 22 e o 32 - seriam usados por familiares de Sarney, e estão em nome da empresa Aracati Construções, Assessoria e Consultoria Ltda.

Em sua defesa, Sarney afirma que seu filho Zequinha Sarney comprou um apartamento no mesmo edifício, para que seus filhos também pudessem estudar em São Paulo. Segundo ele, o apartamento está sendo pago em contrato de compra e venda. Por isso, a escritura não estaria em nome de Zequinha, que já teria declarado as prestações pagas no Imposto de Renda.

"O prédio na Alameda Franca, modesto, quase saindo na Rebouças, 1.531, é um prédio de apartamento de 85 metros quadrados. Eu comprei o primeiro apartamento ali, em 1977, ainda em construção para ali morarem meus filhos que estudavam na Escola Politécnica e outro na Faculdade Católica. Agora, já na terceira geração, este apartamento, quem vai lá, muitos colegas meus já foram, até admiram: Como é que o presidente Sarney mora num apartamento de uma sala muito pequena e dois quartos?", disse Sarney.

Sarney também cobrou de seus colegas senadores as declarações feitas em relação à denúncia do Estado. O senador considerou que o presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), foi precipitado ao dizer que a denúncia deveria gerar investigações. O mesmo disse em relação ao senador Demóstenes Torres (DEM-GO) e em relação ao deputado Walter Pereira (PMDB-MS).

Um comentário:

Victor disse...

Pelo que mi tem o PDT e o PSB no meio . Isso eh um bom sinal mas se eu ver bandeira do DEM e PSDB , tô fora!!! Como socialista que sou tenho receios desses movimentos que tem filhinho de papai no meio.

Obrigado